Mostrar mensagens com a etiqueta Desabafos de BeB. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Desabafos de BeB. Mostrar todas as mensagens

sábado, 22 de abril de 2017

Equilíbrio

Independentemente dos balanços e solavancos da vida, é neles que encontro o meu equilíbrio <3


quinta-feira, 20 de abril de 2017

Por enquanto, é deixá-lo na ignorância

Amanhã, há greve na escola do Gonçalo. Informei-o disso e ele perguntou-me o que era "isso de greve".

Fiquei sem saber o que lhe responder, mas expliquei-lhe que, por vezes, as pessoas não estão satisfeitas com algumas situações, que consideram injustas. Quando não conseguem resolver as coisas pedindo ou falando com quem pode mudar isso, elas fazem greve para chamar a atenção para a situação, numa tentativa de conseguirem o que querem.

Senti que me estava a embrulhar toda, com a preocupação de explicar as coisas de uma forma simples, e quando olhei para ele  para tentar perceber se ele tinha entendido, notei nele um olhar que me fez perceber que tinha acabado de lhe dar ideias. Por isso, e antes que ele comece a fazer greve porque eu não o deixo ver futebol depois de jantar ou por outra coisa qualquer, calei-me bem caladinha e mudei de assunto o mais rápido que consegui.

(... e acho que resultou!)

terça-feira, 11 de abril de 2017

Custa (sempre) tanto!

Depois de ter estado cinco dias de férias e no mimo do pai e avós, hoje o Francisco lá teve de regressar à escolinha. Fui eu lá levá-lo e assim que estacionei o carro e o tirei da cadeirinha, ele agarrou-se ao meu pescoço, com pouca vontade de me largar (e eu com nenhuma vontade que ele me largasse).

Já estão a ver o filme, não é?

Ele ficou a chorar, com aquele beicinho fofo de quem está sentido comigo por o estar a "abandonar", e eu fiquei com o coração pequenino por ter de o deixar assim :(

(Resumindo, estou desejosa que chegue logo à noite para voltar a estar com eles. Estou longe de ter matado as saudades destes cinco dias. Muito longe!!!)

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Uma explosão de amor

Foram 5 dias e 5 noites!!! Foram estes os dias que eu estive sem eles. Sem os meus pequeninos.

O Marco foi com o Francisco e com o Gonçalo para o norte, para umas mini-férias, e eu fiquei cá, com o coração apertadinho e despedaçado. Nunca me vou esquecer do vazio que senti quando os deixei no carro.

Nunca tinha ficado tanto tempo sem eles e confesso que me chegou a doer fisicamente. Por tudo. Pela saudade antecipada, pela preocupação...

Com o passar dos dias a saudade intensificou, mas a preocupação esmoreceu. Falava com eles todos os dias e percebia que eles estavam ótimos e isso permitia, pelo menos, que o meu coração serenasse um pouco.

Nestes dias em que estive sem eles consegui ter a casa sempre arrumada, vi os canais de televisão que quis, no fim-de-semana dormi até não conseguir mais, fiz coisas que não fazia há séculos (como ir à praia e conseguir estar deitada, descansada e a ler)... enfim... não fosse eu estar a trabalhar, e até poderia parecer que estive de férias. E esta parte foi boa. Mentiria com todos os dentes se dissesse que não foi. Mas a verdade é tão simples quanto isto: isto só foi bom porque sabia que em breve ia voltar a ter os meus pequeninos nos meus braços. Porque eles compensam tudo. Compensam ter a casa desarrumada, a falta de tempo para as minhas coisas, as noites mal dormidas...

Eles chegaram hoje, ao final da tarde, e tenho que admitir que já não estava a aguentar mais com tantas saudades. 

Quando os vi pareceram-me mais crescidos e mais bonitos que nunca. Agarrei-os com força e, por mim, tinha ficado assim por horas. 

Naquele momento, senti que os amava mais que nunca e senti que o meu coração estava prestes a rebentar de tanto amor!

domingo, 2 de abril de 2017

E diz-me uma amiga:

"Às vezes é uma questão, de não fazer mais questão."

Ela é sábia :)

Se eles soubessem...

Hoje estava um dia tão lindo, que quis aproveitar para ir com eles passear ao ar livre. Acabámos por ir ao parque, em Sintra.

Estivemos lá cerca de uma hora, os três, e soube-me pela vida! É verdade que houve um ou outro momento mais stressante (estar sozinha com os dois não é a coisa mais simples do mundo), mas no geral foi tão, mas tão bom! Senti-me tão feliz por estar ali com eles, por poder usufruir daquele momento com eles.

Se eles soubessem o bem que me fazem. A felicidade e a alegria que me dão. A energia que me transmitem...

<3 <3 <3

quarta-feira, 29 de março de 2017

P.A.R.A.R!

Preciso de parar. De deixar de me consumir pelo que não interessa.

Preciso de parar, para dar valor ao que realmente conta na vida.

Antes, não assim há tanto tempo atrás, eu fazia-o. Parava. E quando não o fazia, obrigava-me a parar. Na maior parte das vezes, era para ficar ali, a olhar extasiada para os meus filhos. E nesses momentos, que eram frequentes, via o quão crescidos estavam. Constatava a tirania do tempo. Um tempo que voa, sem dar tréguas aos momentos maus.

Ultimamente, por vários motivos, tenho deixadode fazer este "exercício" e ontem apercebi-me disso e fiquei com um nó no coração. Porque nada, NADA, justifica isso. Porque frase como "a vida é só uma" ou "o tempo não volta atrás", são muito mais que clichés. São realidades!

Ontem, olhei para os meus meninos, que estão grandes e lindos, mas com olhos de ver. E gostei muito. Senti-me leve e, muito importante, senti-me grata e FELIZ.

sexta-feira, 24 de março de 2017

Check!!!

Não tem nada de dramático. É chato como tudo, desgasta imenso, dá-nos cabelos brancos, mas todos nós vivemos fases assim e, muito importante, sobrevivemos a elas.

Estou a falar daqueles momentos/ fases em que temos a sensação de que a nossa vida não anda para a frente. Que por mais voltas que se dê, não saímos do mesmo sítio. E tudo se torna pior quando percebemos que, vistas bem as coisas, não podemos fazer nada para mudar isso, porque não depende de nós. Tudo isto acaba por trazer algum marasmo e desânimo e as coisas acabam por ter o efeito de bola de neve. 

Hoje, fechei dois assuntos que estavam pendentes há já algum tempo e que não os fechava pelo tal sentimento de marasmo e desânimo. E não sendo coisas que me permitam sair do mesmo sítio, a verdade é que me sinto mais leve, porque tenho a sensação de que fiz alguma coisa por mim. Pela minha vida. 

Hoje, estou mais animada. Sei que dei um passinho em frente, mesmo que tenha sido de bebé, Mas como se costuma dizer, devagar se vai ao longe, verdade? :)

quinta-feira, 23 de março de 2017

Gestos que significam tudo

De vez em quando é isto. Chego a casa e tenho uma ou duas flores à minha espera. Normalmente, são miminhos do Gonçalo, mas agora o Francisco já o quer imitar.

Não há nada mais simples do que isto, mas a doçura do gesto representa tanto para mim... mais do que eles podem imaginar.

São estas pequenas coisas que me alimentam e me enchem o coração. E que me fazem sentir absolutamente grata a Deus pelo tanto que tenho (e relativize o que não tenho).


terça-feira, 21 de março de 2017

Trabalhar é terapêutico

Não gosto de estar parada. Faz-me "comichão".

Lembro-me de ser "miúda" e de achar que ter três meses de férias de verão era uma seca e um desperdício total de tempo. Por isso, arranjava sempre forma de, pelo menos durante um mês, me ocupar com alguma coisa que considerasse que me seria útil. Um trabalho, um estágio, um curso... qualquer coisa.

O facto de ontem ter estado em casa, obrigada, fez-me recordar o tempo em que estive desempregada. E foi mau. Por isso, se todos os dias me sinto grata por ter um trabalho, ainda para mais a fazer o que gosto, hoje sinto isso de um modo ainda mais vincado. Além disso, se de manhã ainda estava meia murcha e adoentada, agora sinto-me muito melhor.

Eu acredito mesmo na velha máxima de que parar é morrer. Mais. Para mim, e olhem que eu não sou workaholic, trabalhar é terapêutico.

Deus me dê paciência!

O Gonçalo anda outra vez numa fase que valha-me Deus! Embirra com tudo, está sempre a refilar... e isto tudo numa fase em que ando com menos paciência. (às tantas uma coisa leva à outra).

Sei é que hoje foi uma manhã daquelas! Com choradeira, birras e gritaria... No final já estava tudo bem, mas o remorso acaba sempre por espreitar :( Agora já só quero chegar a casa e enchê-lo de beijos e abraços!


segunda-feira, 20 de março de 2017

Não fui feita para isto

Já houve alturas na minha vida em que fui "obrigada" a ficar em casa. Ou porque fiquei doente (raro), quando fiquei de baixa por gravidez de risco... e já estive desempregada, o que fez com que passasse mais tempo em casa.

A questão é... não fui feita para isto!

Hoje, fiquei em casa porque estou doente há uma semana e não há meio de ficar boa. Mas já me estou a passar! Não é que não tenha coisas para fazer, mas aborrece-me de morte ficar em casa obrigada. Além disso, estou numa fase da minha vida em que tudo o que menos preciso é de parar. Quanto mais parar, mais penso. E eu penso demais!

Só espero amanhã já estar ótima, porque não quero ficar em casa nem mais meio dia!

domingo, 12 de março de 2017

Estou na dúvida

Há bocado apanhei o Francisco com um pedaço de papel higiénico, a limpar o pó ao móvel, à televisão, às colunas... mas ao ponto de ir aos pormenores!

Não sei se deva ver isto como uma coisa boa, já a pensar no futuro (no meu), ou se me deva preocupar. Afinal de contas, não é muito normal, pois não?! :/

domingo, 5 de março de 2017

É tão, mas tão bom!

Hoje, eram 7h da manhã e já tinha o Francisco a gritar: "Já tá? Já tá?", como quem diz, "toca lá a acordar que já são horas!" Faz isto com a voz mais doce do mundo, que dá pouca, ou nenhuma margem para que nos zanguemos.

Ainda estive na ronha um bom tempo, mas passado uns minutos lá me levantei a custo. Fiz o pequeno-almoço para eles os dois e lá estavam os meus pequeninos, ali, comigo à mesa, a brincarem um com o outro e a comerem.

Um cenário banal, simples, mas que ao olhar para ele me fez sentir uma imensa felicidade. 

Pode haver muita coisa má na minha vida neste momento, mas temos todos saúde e tenho isto. E quando se tem uma coisa destas, dois filhos lindos, com saúde, chega a ser pecado me queixar <3

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Adorei!

“Sometimes, the greatest intimacy is just being together in comfortable silence.”

<3

Li esta frase no Huffington Post e amei. Tinha de partilhar!

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Quem tem o colo da mãe...

O Francisco está doentinho. Vomitou ao jantar, não comeu nada e, pouco depois das 20h, já me estava a pedir para ir fazer "ó-ó".

Ao vê-lo assim, a única coisa que queria era dar-lhe mimimhos... e ele pelos vistos queria recebê-los. Ele, que há já um bom tempo prefere adormecer na cama dele (mas de mão dada connosco), hoje quis adormecer ao meu colo. Quis o miminho da mamã. (há lá coisa melhor?!)

Confesso que estava com muitas saudades disto. De o adormecer nos meus braços, a olhar para aquela carinha de anjo... é de uma fofura e doçura que não tem comparação. É que é daquelas coisas para encher completamente a alma <3


domingo, 26 de fevereiro de 2017

Felicidade

Se pensarmos bem, às vezes é preciso muito pouco para nos sentirmos felizes. Bastam os sorrisos dos nossos filhos, a alegria deles, a companhia de amigos...

Devíamos ser mais como as crianças. Contentarmo-nos com as pequenas (grandes) coisas da vida. Se o fizéssemos, decerto que olharíamos para a vida com outros olhos. Decerto que seríamos todos muito mais felizes!


sábado, 18 de fevereiro de 2017

Diz...

... que faço anos amanhã e, pela primeira vez desde que me lembro, nem quero saber.

Sabem o que isto significa?

Não, não vou dizer que estou triste e mais não sei quê. O que significa é que para o ano, no mínimo, tenho de comemorar a dobrar. É que só me permito um ano disto. Prometo!

E, se não for assim, por favor internem-me!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Os haters do Dia dos Namorados

Estava aqui a pensar...

Não sou propriamente fã do Dia dos Namorados, admito. Nunca fiz questão de o comemorar com grande espalhafato, ainda que gostasse de assinalar o dia com algum miminho: um postal, um bolo, um jantar romântico em casa...

É um facto que este é um dia cada vez mais comercial, e que todas as marcas aproveitam para venderem os seus serviços e produtos. Compreendo que isso possa irritar muita gente. Ok. Mas daí às pessoas deixarem de fazer coisas mais queridas ou atenciosas só porque é Dia dos Namorados, e chegarem ao ponto, como eu já ouvi de mais do que uma pessoa, de dizerem que só não vão fazer uma determinada coisa porque é Dia dos Namorados (e que se fosse noutro dia qualquer fariam), é demais, não? A sério que não compreendo.

Qual é o mal de aproveitar o dia para ser um pouco mais romântico? Para fazer algo que, provavelmente, não é feito na rotina do dia-a-dia? É para não serem vistos como "Maria vai com as outras"? É por receio que isso seja visto como excesso de sensibilidade?

A sério que gostava de perceber.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Chega!!!

Para quem me segue há algum tempo já percebeu que há alguns meses que ando menos presente, menos efusiva... menos feliz!

A verdade é que todos têm fases menos boas na vida e, às vezes, custa-nos mais levantar do chão e seguir em frente. Além disso, cada um gere as coisas à sua maneira... Mas, tentando ser pragmática, o que é facto é que não sendo por uma questão de saúde, tudo é ultrapassável, não é?

Não posso dizer que já tenha feito a minha catarse emocional, mas estou cansada (literalmente) deste estado de espírito down, que em nada tem a ver com a minha essência. 

Posto isto, o que vos quero dizer é que estou de volta! Como diz uma amiga: "para a frente é o caminho!"

Arquivo do blogue

Seguidores