quarta-feira, 16 de maio de 2018

Novelas no comboio


No comboio ouvem-se conversas muito interessantes.

Sim, algumas são só parvas e chegam a incomodar, sobretudo porque há muitas pessoas que parece que se esquecem que estão rodeadas de desconhecidos, mas tenho vindo a descobrir que a “sabedoria popular” não é um mito.

Hoje, estavam duas adolescentes, dos seus 20 e poucos anos, a falar sobre as suas vidas amorosas (algo nada privado, portanto!).

Uma delas, que me pareceu ser a mais despachada, estava a desabafar com a amiga a pouca atenção que aquele que creio que seria o namorado dela lhe dava. A dada altura disse:

“O problema do “não-sei-quantos” (não me lembro do nome do moço) é que ele me dá como certa e depois não me trata como eu merecia ser tratada. É capaz de tratar melhor uma pessoa qualquer, do que a mim, que sou tão querida para ele. A minha mãe é que tem razão. Ela está sempre a dizer-me que se uma pessoa nos diz que somos importantes para ela, mas depois nos dá constantemente sinais de que não somos, ou se não dá valor à nossa companhia, a dada altura o problema não é dessa pessoa, é nosso, por permitirmos e mantermos essa situação. E faz sentido. Eu é que sou parva!”

Não estou 100% certa das palavras terem sido estas, mas o conteúdo era isto. E eu achei muito interessante e tenciono registar este (sábio) ensinamento da mãe da rapariga.

A conversa continuou, até porque a outra amiga também tinha problemas amorosos (mais venezuelanos, até), mas deste enredo não tirei lições dignas de registo.

E foi a minha novela matinal. Sendo que não vou saber como vai acabar!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Arquivo do blogue

Seguidores